Fonte: Technology Ventures – From Idea to Enterprise, Drof C. R. e Byers H. T.

Este é o 20 artigo da série Criando EBTs de Sucesso. É o primeiro texto do módulo IV– Criando uma estratégia  – seção I e foi extraído do livro Technology Ventures – From Idea to Enterprise

Seção I – Aborda o início de uma EBT alinhada com pontos vitais para o sucesso
Módulo IV –
Criando uma estratégia


A ESTRATÉGIA DO EMPREENDIMENTO

Uma estratégia é um plano ou roteiro das ações que a empresa ou organização implementa visando cumprir sua missão e atingir seus objetivos, não sendo, porém, estática. Para ser útil o plano deve ser orientado para a ação e baseado nas oportunidades, pontos fortes e competências da empresa. O resultado desejado para uma estratégia é uma performance competitiva sustentável. Em razão da natureza dinâmica do mundo competitivo dos negócios, uma estratégia deve ser simples e clara. Isto permite que qualquer um trabalhe com uma estratégia facilmente compreendida.

As estratégias ajudam uma empresa a se manter em um determinado curso e focar seus esforços neste mesmo curso. A formulação de uma estratégia sólida é baseada em um profundo conhecimento da oportunidade, do ramo de negócio e de seu contexto. Ao descrever a oportunidade como uma visão, emerge o senso de drama e de vitalidade. Com esta vitalidade, o empreendedor motiva a equipe e os investidores a compartilhar a visão, abraçar a estratégia e agir de acordo com ela. Neste caso a estratégia surge como sendo um desdobramento em maiores detalhes.

O planejamento de longo prazo é muito difícil devido à natureza dinâmica do mercado competitivo. Os negócios não estão em equilíbrio, o que torna a análise dos negócios muito difícil. É difícil definir onde um negócio começa e onde termina. Também, é difícil distinguir entre concorrentes, colaboradores e fornecedores. Assim, todas as estratégias estão sujeitas a mudanças e reformulações conforme as condições, as alianças e a competição sofrem mudanças.

Tabela 4.1 O processo de gestão para o desenvolvimento de uma estratégia

  1. Desenvolver as declarações da visão e da missão, e o modelo de negócio.
  2. Descrever as competências essenciais da empresa, seus clientes e sua vantagem competitiva.
  3. Descrever o contexto e o ramo de negócio, para a empresa e seus concorrentes.
  4. Determinar os pontos fortes e fracos da empresa no contexto do ramo de negócio e do ambiente.
  5. Descrever as oportunidades e ameaças para o empreendimento.
  6. Identificar os fatores-chave para o sucesso usando o modelo de seis forças.
  7. Formular opções estratégicas e selecionar a estratégia adequada.
  8. Traduzir a estratégia em planos de ação com medidas e controles adequados.

Os empreendedores começam no centro da figura 4.1 construindo e alinhando suas competências, recursos e produtos. Eles então agem sobre sua estratégia inicial ou sobre seu plano de negócios. A entrada em um mercado competitivo forçará uma reavaliação do mercado e do ramo de negócio, bem como uma análise de seus concorrentes. Isto leva os administradores de nível estratégico a reimplantar e ajustar competências, recursos, produtos e ações para competir efetivamente em um mercado dinâmico. Estes administradores se esforçam para atingir uma vantagem competitiva assegurando e gerenciando os ativos da empresa. A forma como os administradores irão responder aos clientes, ramos de negócio e competição em constante mudança será crucial para o restabelecimento do plano estratégico e dos ativos da empresa para agir de forma competitiva. Os líderes de empreendimentos de risco devem se esforçar para identificar as forças fundamentais para criação e captura dos valores dos clientes. Aqueles com foco no contínuo ajuste e alinhamento da estratégia e das competências da empresa evoluirão de uma posição estratégica para a seguinte em resposta às mudanças nas condições.

Resumindo a figura 4.1, o primeiro passo é para determinar as forças motrizes dos negócios: os fatores econômicos, demográficos, tecnológicos ou competitivos, que constituem ameaças ou criam oportunidades. O segundo passo é para formular a estratégia compatível com as forças motoras identificadas no passo 1. O terceiro passo é criar um plano para implementar a nova estratégia. Finalmente, a nova estratégia será implementada ao se construir ou realinhar as competências, os recursos e os produtos da empresa. Os empreendedores definem sua estratégia com base em sua percepção da oportunidade. Eles não são constrangidos pelos recursos e competências atuais, procurando adquirir os que forem necessários. A teoria da dependência dos recursos estabelece que a liberdade de ação de uma empresa deve estar limitada à satisfação das necessidades dos clientes e dos investidores que fornecem os recursos para a sua sobrevivência [Christensen, 1999]. Os investidores e os clientes determinarão quanto dinheiro será gasto porque as empresas que não os satisfizerem não terão condições de sobreviver.